terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

maria andersen

O ESPÍRITO DO FOGO

O espírito do fogo, ergue-se pela imortalidade
dos poemas de Goethe de Whitman (e pelos teus)
como coração à superfície de cada poro
onde brota a respiração como uma fonte de fogo:
a idade é como as folhas que sobre os ramos
se dobram em arco sob a pressão do vento
no caminho onde desce & se comove o Outono-

ó prodigioso livro do meu ser
sentença do olhar perante o tempo
onde as cores se esbatem
& as ruas ficam desertas como se fossem
lugares esquecidos
o dia é sempre um endereço que não muda;
por eles as pétalas das flores
separam-se do caule no interno sono da germinação

todo o instante é de silêncio onde se vai à funda sabedoria
pelo enigma do sonho em que seguimos
absorvendo o pensamento –

assim a alma: onde vivo o êxtase de sentir em cada acto
o interior das coisas como um clarão a nascer na boca

- Ó dom da vida que sobe aos olhos.

5 comentários:

  1. "- Ó dom da vida que sobe aos olhos."

    e no coração da pedra...minha cabeça repousa....

    amei....MARIA!!

    joaquim monteiro

    ResponderExcluir
  2. LINDO!!!!
    Viver é uma grande dádiva.

    ResponderExcluir
  3. Nem preciso reapresentá-la, Maria Andersen é o blog além mar.

    ResponderExcluir
  4. como dizer o quanto estou grata...não por mim que nada sou...mas pela iluminação dos olhos de quem assim lê e sente...
    castigo luminoso do silêncio
    sem ele nada sou…
    memória remota da vida em seu ar distante e que dentro (ontem –amanhã ?, agora! ) se anuncia…

    ResponderExcluir
  5. Joaquim Monteiro, fique à vontade....

    ResponderExcluir